82654-bloco2bde2besquerda_001O Bloco de Esquerda teve conhecimento que com o decorrer das obras do aterro do Gestal (Canedo, Concelho de Santa Maria da Feira), propriedade da Suldouro, têm sido levados a cabo rebentamentos para desmanche de rocha que têm provocado imensos danos nas casas; rebentamentos esses, que nunca estiveram previstos no Estudo de Impacto Ambiental.

Aliás, um dos pontos focados nesse mesmo estudo para indicar o local atual como o ideal para a colocação do aterro era o facto de não ser necessária a movimentação de terras.

Os rebentamentos efetuados têm provocado danos nas habitações; danos pelos quais a DST, empresa responsável pela obra, se tem recusado a responsabilizar-se alegando que todas as casas tinham deficiências na construção.

Os moradores dizem que no local nunca foram vistos membros de entidades oficiais ou da Câmara Municipal, pelo que a empresa atua como bem entende, apesar de o fazer com procedimentos lesivos para os moradores e que nunca estiveram previstos no Estudo de Impacte Ambiental.

É, por isso, natural que se sintam desprotegidos e que temam pela sua segurança e pela segurança e integridade dos seus bens, nomeadamente as casas.

Segundo informação da população, as explosões são bem sentidas por todos, ou não fossem utilizadas cargas de 4000 e mais quilos de explosivos.

A Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, um dos grandes responsáveis pela atual localização do aterro, limita-se a passar as necessárias licenças para que as obras e os incómodos que estas produzem continuem, esquecendo por completo a segurança e o bem-estar da população.

   Esta população é obrigada a viver literalmente no meio de um estaleiro de obras, com ruído, pó, lama por todo o lado, ruas destruídas e uma insegurança constante, criada por uma obra mal vedada e pela circulação diária de centenas de camiões carregados com terra e pedra provenientes do desmanche de rocha, que nem sempre respeitam os limites de velocidade e as regras de circulação rodoviária.

A EGF é a acionista maioritária na Suldouro e, por isso, tem responsabilidade naquilo que está a acontecer em Canedo e que está a prejudicar gravemente a população que habita junto ao futuro aterro.

O deputado Municipal do BE Moisés Ferreira, questionou a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, ler aqui. O líder parlamentar do BE, questionou o Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, ler aqui

Comissão Coordenadora Concelhia de Santa Maria da Feira