ruralCasa do Engenho é nova proposta de turismo

em espaço rural nas Caldas de S. Jorge

A Casa do Engenho, nas Caldas de S. Jorge, no concelho de Santa Maria da Feira, foi este domingo inaugurada, numa cerimónia que contou com a presença do presidente da Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM), Emídio Sousa.

Caldas de S. Jorge tem um novo equipamento de excelência, diferenciador na oferta turística do concelho e que promove a regeneração, já que requalificou uma antiga fábrica de papel, junto às margens do Uíma”, disse.

Segundo Emídio Sousa, este empreendimento de turismo em espaço rural “ajuda a dinamizar a economia local, criando novos postos de trabalho”.

Este é mais um exemplo da importância que a ADRITEM tem tido em algumas áreas de negócio, cuja intervenção fomenta o investimento de uma forma assertiva”, sublinhou o também presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.

A Casa do Engenho resulta de um investimento na ordem dos 300 mil euros, verba comparticipada em 60 por cento pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER), através da ADRITEM.

Para a promotora, Maria do Céu Silva, o empreendimento que agora abre portas “reforça a capacidade hoteleira da região”, numa zona privilegiada do ponto de vista paisagístico.

Trata-se de um espaço não só para pernoitar, como também para reunir ou comemorar efemérides em ambiente tranquilo, próximo das Termas S. Jorge”, salientou.

Localizada precisamente na rua do Engenho, a unidade – com seis quartos disponíveis – vai gerar dois postos de trabalho.

A ideia surgiu pelo facto de a empreendedora ser proprietária de um edifício do século XIX, onde funcionou uma fábrica de papel e pela intenção de “preservar o imóvel quer pelo interesse arquitectónico quer pela importância da arqueologia industrial”.

Além do alojamento, este projecto irá disponibilizar actividades pedagógicas ligadas à agricultura, local para a realização de eventos, estando em articulação com a promoção cultural do concelho, nomeadamente com os artistas plásticos que aqui terão um espaço para a colocação dos seus trabalhos.

Pretende-se ainda oferecer serviços de entretenimento, itinerários turísticos, visitas guiadas, passeios pedestres pela área envolvente, comemoração de determinadas festividades, dar a conhecer o fabrico do pão, curso de português para estrangeiros, entre outras iniciativas.