A Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola EB1/JI Prime, vem mostrar o seu descontentamento, face ao conhecimento, a posteriori, da decisão do Agrupamento de Escolas António Alves Amorim em fechar uma sala do pré-escolar no nosso estabelecimento (JI/Prime), deslocando-a para o pré-escolar do Sobral (JI/Sobral).


Apenas com a remoção do mobiliário do JI/Prime e transporte para… o JI/Sobral é que esta Associação teve conhecimento daquela decisão e, numa ulterior reunião efetuada naquele Agrupamento, com os presidentes de associações de pais, foi-nos “justificada” a decisão com o facto dos pais, no ato de inscrição, terem optado pelo JI/Sobral. Ora, esta Associação não entende tal justificação, pelo facto de ser diminuta a distância entre os estabelecimentos em causa (cerca de 1,5 km).
É do conhecimento público que o JI/Prime tem melhores condições físicas, técnicas e didáticas do que o JI/Sobral, desde logo pelo seguinte:
– O JI/Prime: – foi construído unicamente para o ensino pré-escolar; – é bem localizado geograficamente; – tem excelentes acessibilidades; – tem boa disposição solar; – as crianças têm acesso direto às casas de banho, que são localizadas no interior do edifício; – tem condições para acolher crianças com necessidades especiais (no ano 2013/2014 teve duas crianças c/NE); – as crianças têm acesso à EB1 de Prime, o que permite uma interação entre as crianças de ambas as escolas e permite a utilização do refeitório e da biblioteca da EB1 (o JI tem acesso à EB1 com rampa para crianças c/ NE);
– O JI/Sobral: – Não foi construído para o ensino pré-escolar, pois é uma antiga escola primária que precisa de obras de adaptação, para além de que, ao que tudo indica, ter coberturas em amianto; – as crianças não têm acesso direto às casas de banho, pois estas são localizadas no exterior do edifício, o que dificulta a utilização, especialmente durante o inverno; – tem salas de aulas dispersas por dois edifícios, ficando crianças «separadas» das restantes o que não favorece a integração das num espaço de comunhão adequado ao desenvolvimento pessoal e educativo das crianças.
Para além do referido, esta Associação também não entende a decisão do Agrupamento por questões económicas. Esta decisão terá custos elevados pois a sala destinada a acolher a turma em causa, precisa de obras de adaptação do espaço para cumprir os requisitos legais. Estas obras revelam uma opção de gastos de recursos públicos, que a nosso ver se revelam desnecessários.
Diga-se ainda que a gestão de recursos do nosso sistema de ensino não é somente orientada pela escolha dos pais, mas também pela otimização dos recursos, sejam eles físicos ou humanos.
Na verdade, esta Associação não entende o porquê de deslocar uma sala / turma funcional para outro local, sem condições e com necessidades de adaptação, quando a distância em causa é de apenas 1,5 km.
No JI/Prime existiam duas turmas, com a decisão fica apenas uma turma. No JI/Sobral existiam duas turmas e passarão a ser três. Este facto não trará também mais encargos de recursos pedagógicos a nível do corpo docente? E do pessoal auxiliar?
Constata-se a presença de mensagens divulgadas que a escola de Prime é para fechar, que o 1º ano alberga crianças com necessidades especiais, factor de risco para os outros pais face às expectativas educativas dos seus filhos, entre outras, têm surgido de fundo, espalham ruídos infundados, propagam o lado menos desejável dos valores de educar, enfim, tentam contrariar o trabalho visível que a associação de pais e a comunidade escolar tem desenvolvido para qualificar o ensino na nossa escola. O ranking da nossa escola não fica atrás da do Sobral, mas o importante é conseguir sempre mais e melhor para os nossos alunos Não perdemos a fé nem a vontade de que é possível sempre melhorar e preservar a nossa escola, hoje, amanhã e no futuro. Talvez os «ruídos» nos dê mais força para ultrapassar as dificuldades!
Todos havemos de conseguir.