cdshospitalNos últimos tempos, tem sido muito aflorada a eventual perda de qualidade dos serviços do Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga, nomeadamente do Hospital S. Sebastião.

Notícias em televisões, rádios, jornais, internet, entre outros, dando conta da falta de pessoal – médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar – bem como dificuldades no serviço de urgência/emergência e até cancelamentos de consultas e intervenções cirúrgicas, têm preocupado muitíssimo a população, sempre naturalmente alarmada com estas questões.

Partilhando essa inquietação, o CDS Feira pediu uma reunião com a administração do Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga, para aferir da real situação de todo a centro hospitalar e perceber se as razões de tanta preocupação eram ou não fundadas.

A comitiva concelhia do CDS foi liderada pelo seu presidente, Alferes Pereira, e contou com a importantíssima presença dos dois Deputados da Assembleia da República eleitos pelo círculo de Aveiro, Raul Almeida e Teresa Anjinho, também eles preocupados com toda esta situação.

A administração do centro hospitalar, presente com todos os elementos, explicou o funcionamento das várias unidades do centro e as suas valências, apresentou números e constatou factos. Apresentou, naturalmente, as suas dúvidas e preocupações.

A enorme burocracia para se contratar um funcionário, podendo demorar meses esse processo, é vista como um enorme problema – quando chega o “sim” a admissão pode já nem ser necessária…

A questão da falta de pessoal é comum à maioria dos hospitais do país. No caso dos médicos, esta situação é antiga. No caso dos enfermeiros e restante pessoal, é mais recente devido aos cortes orçamentais do poder central.

Aconteceram, de facto, alguns problemas excepcionais devidos à falta de pessoal, situações pontuais mas rapidamente resolvidas, sem nunca se colocar em causa a qualidade do serviço prestado. O sentido de responsabilidade dos muitos profissionais do centro hospitalar foi determinante.

Mediante esta reunião, O CDS ficou mais descansado, sabendo que algum do alvoroço foi apenas e só alarido gratuito.

Mas o CDS ficou também com a noção que há muito a corrigir.

Há, efectivamente, falta de pessoal, problema assumido por todos. Os cortes orçamentais limitam a actividade de forma preocupante e a oferta privada é algo que começa (mesmo) a ser concorrência a ter em conta.

 É fundamental sossegar os feirenses, garantindo a qualidade dos cuidados de saúde no nosso concelho no que diz respeito ao centro hospitalar.

E pode-se dizer que Santa Maria da Feira continua a ter um dos melhores hospitais do país.

 CDS-PP

Comissão Política Concelhia

Santa Maria da Feira

Santa Maria da Feira, 07 de Novembro de 2014