82654-bloco2bde2besquerda_001O Bloco levará à Assembleia da República um projeto de lei para restruturar as urgências hospitalares, propondo que existam sempre Urgências Básicas onde existem Urgências Médico-Cirurgicas e Urgências Polivalentes.

Já há muito que profissionais de saúde, comissões de utentes e doentes vinham a avisar para a falta de pessoal e a sobrecarga de trabalho nas urgências e serviços hospitalares.

No que toca, em particular, ao Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga (CHEDV) têm sido de conhecimento público as críticas de responsáveis de serviços sobre a falta de pessoal, nomeadamente, em áreas como os cuidados intensivos.

A Ordem dos Enfermeiros e a Ordem dos Médicos avisam frequentemente para a falta de pessoal neste hospital e para a necessidade de se contratar mais pessoal médico, de forma a conseguir dar resposta à procura.

O Bloco de Esquerda tem alertado o Governo e exigido medidas concretas. Com a situação de ruptura vivida nas Urgências deste hospital exigimos do Governo a atuação imediata no sentido de reforçar pessoal médico. Agora, quando se sabe que o hospital S. Sebastião está a desmarcar cirurgias por falta de camas e de espaço para internamento, o Bloco quer que o Governo, de uma vez por todas, avance para uma restruturação dos serviços hospitalares.

Não podemos esquecer que as chamadas ‘reformas’ hospitalares que se fizeram no passado contribuíram para este estado de falta de condições materiais e humanas. Nunca é demais lembrar que o Hospital S. Sebastião foi construído e dimensionado para servir metade da população que hoje serve; e nunca é demais lembrar que o encerramento de valências nos hospitais de S. João da Madeira e de Oliveira de Azeméis sobrecarregaram o Hospital S. Sebastião.

O encerramento das Urgências, a redução das cirurgias praticadas e a diminuição da capacidade de internamento nos hospitais de S. João da Madeira e de Oliveira de Azeméis fizeram com que tudo confluísse para um único hospital que agora está em ruptura frequente.

Já houve tempo para se ter percebido que as ‘reformas’ passadas (que não foram mais do que cortes nos serviços prestados pelo Serviço Nacional de Saúde na região de Entre o Douro e Vouga) foram erradas e só resultaram na deterioração dos cuidados de saúde e no prejuízo dos direitos dos utentes e dos doentes. É, por isso, tempo de reverter essas reformas e voltar a apostar num Serviço Nacional de Saúde público de que qualidade.

O Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Saúde sobre para quando tenciona reforçar as restantes unidades hospitalares do CHEDV, descongestionando o S. Sebastião. Ler aqui

Para além disso, o Bloco levará à Assembleia da República um projeto de lei para restruturar as urgências hospitalares, propondo que existam sempre Urgências Básicas onde existem Urgências Médico-Cirurgicas e Urgências Polivalentes.

Esta medida melhoraria em muito o atendimento dados nas urgências hospitalares, separando os casos mais graves dos menos graves e separando os atendimentos. Na prática, existiriam mais serviços de urgências, mais profissionais e uma melhor qualidade do serviço público de saúde.